My Photography Statement

(scroll for English version please)

Depois de tantos anos a sentir a Fotografia como uma terapia, uma espécie de cura, para mim mesma e para as pessoas que fui fotografando, decido agora que é tempo de escrever e partilhar as ideias que deambulam em mim.

Foi sempre assim para mim: uma cura.

Começa no auto-retrato, experiência importante mas ao mesmo tempo extenuante. Trata-se de um exercício de auto-conhecimento e superação de problemas de auto-confiança que todos temos. O processo terapêutico da visualização das imagens, obriga-nos a refletir sobre o que somos, sobre as coisas que mais gostamos ou mais detestamos em nós, e porquê. Podemos corrigir coisas, como a postura, podemos perceber qual o nosso melhor lado, a nossa melhor expressão, e usar esses fatores em favor da nossa auto-confiança. Mas também podemos passar a estar mais à vontade com o que não gostamos, aceitar e entender que sem isso não seríamos nós, aprender a amar isso também..

O auto-retrato é uma forma de estarmos preparados enquanto humanos e fotógrafos, para captar nos outros a essência que procuramos em nós, colocando a técnica ao serviço da criatividade.

O retrato é o meu trabalho de eleição. Permite-me interagir e conectar com as pessoas. E por isso a cura continua com e para os outros.

Sinto que o meu propósito enquanto ser humano e fotógrafa passa por aplicar essa cura que acredito existir na fotografia aos outros. E através dela contar as suas histórias e melhorar a perceção de si mesmos.

As duas coisas que me atraem, quando idealizo uma ou mais imagens: a possibilidade de contar e imortalizar histórias, transmitindo através delas sentimentos e emoções; a possibilidade de criar imagens belas e ver nelas alguma espécie de poesia.

Tento fazê-lo em todo o tipo de trabalhos, envolvam eles pessoas ou não, independentemente do seu propósito.

Mas o maior desafio é aquele que envolve pessoas, as suas histórias, as suas inseguranças ou ideias. Não é um trabalho fácil porque além da natural angústia do processo criativo, existem outras variáveis delicadas como a vulnerabilidade a que fica sujeito o fotógrafo e o fotografado.

Sendo um trabalho com um objetivo terapêutico e genuíno, tem que haver alinhamento e estarem ambos conectados quanto à definição de belo, quanto à história que querem contar e ao que querem ver refletido nas imagens finais.

E a beleza é apenas uma sensação. Podemos tentar defini-la mas não é um ciclo fechado. A beleza interpreta-se, reinventa-se e nunca se dissocia da história que a envolve, do momento que a carateriza.

Fazer uma sessão fotográfica ou contar a tua história é um ato de celebração de ti mesmo.

Nenhum dinheiro no planeta pode comprar-te um bilhete de volta ao momento em que te encontras agora. A Fotografia é uma forma de parar o tempo e guardar momentos em imagens que podes revisitar ou partilhar mais tarde.

Ensaios Fotográficos:

- “Spotlight” é trazer o melhor de ti, no teu máximo potencial, elevando a tua auto-estima e permitindo que voltes a esse momento sempre que estiveres a ter um mau dia. Sessões fotográficas com possibilidade de aconselhamento de styling e produção (cabelo e make-up)

- “Story” é trazer para as imagens os laços que tens com a vida, com lugares e com quem te rodeia. Sessões fotográficas para celebrar a vida com família, amigos, amigas.

- “Scanning” é um estilo documental de fotografia de família, sem produções, nem poses, só a vida do dia a dia como ela é. Aquela da qual vamos sentir mais falta um dia. Sim, com as camas por fazer, os brinquedos espalhados no chão e os cabelos por pentear.

 

Mais informações e marcações através do meu email :)

Sara

----------------------------------------------------------------------------------

After so many years experiencing Photography as a therapy, a kind of healing for myself and for the people I have been photographing, I think it’s time to write and share some thoughts about it.

Photography has always worked out as a cure to me.

Beginning with self-portrait, which was always an important experience, though exhausting at the same time. Maybe people see the self-portrait as a kind of narcissism, vanity or stupidity. But it actually is about self-knowledge and overcoming self-confidence issues that we all experience. The therapeutic process of creating and looking back to those images, leads us to reflect on who we are, on the things we love or hate most about ourselves, and why. We can try to fix some of the things we don’t appreciate, like improving our posture, we can realise which is our best side or our best expression, and use these factors in favor of our self-confidence. But it also helps us to get more comfortable with the things we don’t like, accept them and understand that they also make us who we are. Hopefully we can learn to love them too.

Technically and creatively, self-portrait is also a way of being more prepared, as a human being and as a photographer, to capture other people’s essence as we seek in us.

And so portrait is my main thing as a photographer. Mostly because it allows me to interact and connect with people.

And so the cure passes on to others. I feel that my life purpose as a human being and as a photographer is about spreading this healing power I believe exists in Photography, telling people's stories and improving their perception of themselves.

I always have two main things in mind when I start imagining and creating a singular image or a series of images: being able to tell a powerful story with a strong emotional impact and immortalise it; being able to create beautiful images with some poetry in it.

I try to do it in all kinds of photographic work, involving people or not.

But the biggest challenge is always the ones involving people, their stories, their insecurities or ideas. It is not an easy task because, besides the natural anxiety of the creative process, there are other delicate variables such as the vulnerability to which is the subject and the photographer are exposed to. With a genuine therapeutic goal, it is so important that both photographer and the person being photographed are aligned and connected, about what beauty means, about the story they want to tell, and about the emotions they want to see reflected in the final work.

And isn’t beauty more like a feeling? We can try to define what it is, but beauty is subjective, constantly reinvented and impossible to dissociate from the story and the moment that surrounds it.

I believe that going for a photo shooting and telling your story is a celebration of yourself.

No money on this planet will take you back to the moment you are living now. But we can freeze it with photographs that will preserve your moments, your memories and the way you look, so they can be cherished and shared later.

I am proposing 3 main Photographic experiences:

- "Spotlight" is about bringing out the best in you, at your full potential, raising your self-esteem and allowing you to go back to it whenever you're having a bad day. Photo sessions can be planned with styling advice, hair and make-up.

- "Story" is about capturing and immortalising your connections and emotions to places, and mostly to people around you. The perfect photoshoot to celebrate life with your family, your friends or even your pets.

- "Scanning" is a documentary-style family photography, about real daily life with no poses or production. Just a real reflection of your family with its adorable “imperfections”, and those ordinary moments that will be mostly missed one day. Yes, unmade beds, toys on the floor and messy hair are welcome.

Feel free to email me to know more about these experiences and to book yours.

This is my leap of faith. :)

Sara